Ultra trail Sesimbra

PRONTO PESSOAS! O DIA CHEGOU! REVIEW DE UMA PROVA DE TRAIL!

Fui para Sesimbra no sabádo ao final do dia, para poder andar a mudar as fitas da prova para no dia seguinte ter alguma hipotesse de ganhar, no entanto a prova tinha tanta fita, que desisti e fui mas é para o meu carboloading pré-prova de choco frito com batatas fritas e uma coca-cola.

Dormi pouco pois quando se faz estas road trips com a crew ficamos sempre a contar anedotas até tarde, e a jogar ao Keimse e ao peixinho e ao jogo da glória. Glória essa que eu pretendia atingir no dia seguinte. Estava descansado pois tinha treinado bem para esta prova, fiz 2 treinos por monsanto nos ultimos meses e queria mesmo ser finisher de um ultra trail de 21km.

Levantar os dorsais foi simples, era só chegar lá, escolher um nome que estava afixado a porta, ter sorte de ainda não ter sido entregue, e já está. Em poucos segundos estava despachado. Davam um saquinho tecnico, com uma tshirt e 2 folhetos e uma garrafa com agua e o dorsal. Não davam alfinetes, e acho que devia constar no material obrigatório pois alguns atletas não levavam alfinetes e eu tive de oferecer. O copo que seria obrigatório não vi nenhum inspector a ver quem tinha ou não tinha.

Partida da prova e primeiro problema. Não levava polainas.
Os primeiros km’s da prova eram na praia. No meio da areia! Tive de fazer muito mais devagar do que pretendia pois nao queria que me entrasse areia para as meias nem para as sapatilhas pois estou ainda a testá-las e depois quando eu me fartar irei dar a um outro elemento da minha crew.

1km de alcatrao depois começa então o trail à seria. ou seja, começam os atletas a andar. A tradição do trail é sempre que apanhas uma subidas tens de caminhar. Até podes não estar cansado mas tens de caminhar. Reza a lenda que houve uma vez um atleta não caminhou numa subida e depois chegou mais rápido lá a cima.

Ao fim da subida em terra batida começa a famosa single track da Segurança Social. É uma descida e subida em que é necessario andar em fila indiana e não se pode ultrapassar pois não há espaço. Estou a dizer que é a fila da segurança social mas aquilo é mais tipo a fila do imtt. Tinha um desvio para a praia da Ribeira do Cavalo mas nao fomos lá.

Terminada a subida, primeiro abastecimento. Tinha água. Estava fresca.

Mais uns km desta vez a correr. A paisagem é fantástica. Chegamos ao famoso acesso à Praia da Cova da Mijona e passámos por uma Zundapp que nem entendo como terá ido ali parar. Ou seria uma sachs?

Mais um bocado e chegamos finalmente ao 2º abastecimento. Tinha melancia, batatas fritas de pacote, frutos secos, água e laranjas. Comi o mais que pude, e segui viagem.

Dali em diante embora o terreno fosse propicio para apanhar pulgas e carraças, até ver estou limpo. Cheguei ao km13 e cruzamo-nos com a malta dos 15km e tinhamos o 3º abastecimento (13,5km de prova). No entanto a simpática voluntária disse que quem estava nos 21km não podia tirar dali nada, que o abastecimento dos 21 seria mais à frente. Tudo bem… lá fui eu… e abastecimento nem ver. Resultado, fui até ao castelo a seco a desejar que a simpática voluntária chegue a casa e o frigorifico dela tenha avariado.

Subida ao castelo, cheio de sede e com fome e quase a chegar ao topo comecei a alucinar. Senti cheiro a oregãos. Pensei, todo este meu esforço vai ser recompensado, o abastecimento do castelo vai ser umas travessas de caracóis! Nhecos! Toma la mais laranjas e bananas e marmelada e agua e tomates. Finalmente tomates. Não os comi pois poderia haver outros atletas a precisar mais de tomates do que eu.

Dali para a frente não ha grande coisa para contar. Descer do castelo, chegar à praia, ficar na duvida se devia ir a correr pela areia ou pela estrada e chegar à meta para receber o prémio de finisher. Um bonito bocado de tecido que dei um nó na ponta, meti uma cordinha e fiz um bonito saco para guardar o pão.

Terminado a prova fui dar um mergulho na água do mar e de seguida rebolar na areia seca. Finalmente fiquei a saber o que é ficar todo em panado.

Gostava de dar uma sugestão à organização. A proxima vez por favor tirem os caroços às laranjas. Tive de andar a cuspir caroços e eu não estou habituado a isto.

Em relação ao abastecimento em que não me abasteceram por favor enviem-me para casa as laranjas amendoins é marmelada que não pude comer ali.

Ricardo Silva

Eu sou o Ricardo Silva e este é o meu blog …ou site ou sítio ou o que lhe quiserem chamar. Estou aqui para vos motivar, para vos ensinar cenas sobre corrida, running e algum jogging, para relatar os meus treinos e da minha crew, para vos ajudar a superar tudo e todos e para irem até ao infinito e mais além. A minha carreira como corredor começou muito cedo. Na zona onde eu vivia os jovens tinham por hábito atirar ovos no carnaval, e eu odeio ovos. Por isso treinava sempre o ano inteiro para chegando o entrudo conseguir ir de casa para a escola e vice-versa sem levar com um ovo na tola. Posso dizer que fui sempre bem-sucedido nesta matéria e até hoje nem 1 ovo aterrou na minha cabeça. Com o passar dos anos e a entrada para a faculdade a minha motivação para a corrida passou a ser outra. Tinha de apanhar 1 autocarro, 1 comboio, e barco e novamente um autocarro para chegar à faculdade. A margem de erro era mínima por isso tinha de andar sempre a correr para garantir que não perdia nenhum destes transportes. Hoje em dia corro porque está muito na moda. Toda a gente corre e tem roupas fluorescentes e perneiras e aparelhos cardíacos e palmilhas e dorsais e medalhas e empenos e geles e isotónicos e tudo e tudo e eu também preciso disso na minha vida. No meu currículo tenho provas de 3000m, mini maratonas de 4000m, provas de 10km e triatlos na distância de sixteenth-ironman entre outros. O meu objectivo na vida e na corrida é continuar a ser igual a mim próprio e evitar assaduras.

Deixar uma resposta

%d bloggers like this: