Wings for life 2015

Nunca fiz relatos das minhas provas, mas desta vez tem de ser.
Domingo foi dia de ir ao Porto para fazer a Wings for Life World Run.
O ano passado a prova na comporta foi uma seca mas este ano no porto ninguém apanhou secas.
A organização estava muito bem-feita, tinha autocarros para a meta, tinha o Fernando Alvim a dizer cenas e a Blaya a aquecer os atletas.
Na partida havia uns wc’s mal sinalizados mas uns caixotes de lixo bem jeitosos ali mesmo ao lado.
O kit de atleta tinha 2 t-shirts, uma toalha, um pin, uma daquelas cenas para por nos punhos como os tenistas usam, uma lata de Redbull um folheto da Garmin, alfinetes e o dorsal tudo num saco com uma corda. Desculpem mas como sou novo nisto não fiz vídeo do unbagging. (na realidade preferia que não me tivessem dado nada e o dinheiro que gastaram nestas cenas dessem para a Wings for Life mas pronto).
A partida foi boa, com os atletas sem perceber se era mesmo para partir o que certamente influenciou os resultados de todos em 5 ou 10 metros na distancia final.
Durante a prova senti-me bem durante os primeiros 2km, que fiz com os meus New balance Zante. Quando chegámos à Avenida da Boavista a minha lesão no joelho começou a dar sinal então parei para tomar 2 voltarens. Aproveitei e mudei de ténis para uns Newton Distance Elite que trazia dentro da minha mochila fornecida pela Puma de propósito para este evento e que estava a testar (review em breve).
Segui a bom ritmo durante os 1500m seguintes e a dor no joelho aliviou. Como Já estava a correr à 3.5km tive de encostar-me ali ao muro de alguém da avenida para aliviar a bexiga. Nota mental para as marcas de running que me estiverem a ler para fazer algálias para atletas pois não fui o único a urinar ao km 3.5.
Ao arrancar novamente deu-me uma dor no calcanhar, por isso liguei para a Dra. Amélia que me disse para abrandar um bocadinho o ritmo e passar no consultório dela amanhã. Comecei então a caminhar durante uns minutos e a comer nozes e batatas fritas de pacote. Ao km 5 bebi isotónico e trouxe 2 garrafas de água não fossem faltar mais na frente.
Retomei novamente a corrida mas mudei novamente de ténis para uns Asics Nimbus 16 pois estava a precisar de algum amortecimento que os Newton não me estavam a dar. Sou pronador heel striker e o gel dos Asics funcionam bem (Podem comprar em quase todas as lojas de jogging e running).
Os músculos das pernas estavam a responder bem graças às massagens do Gabinete Massagens ao Body&corpo por isso fui continuando.
Ao chegar a Matosinhos com o vento contra tive de parar novamente. O corta-vento não estava a cortar nada e estava encharcado por baixo, provavelmente culpa minha por levar o fecho aberto pois a Nike tem material de muito boa qualidade. Vesti então um casaco da Adidas e comi uma canja quentinha que uma senhora me deu. As dores na minha planta do pé estavam a apertar então saquei da minha bola de golf Titleist pro v1 e fiz umas massagens.
Liguei para a minha mulher a dizer que estava a sofrer muito mas que ia continuar porque seria foleiro o meu relato terminar com um DNF. Vou acabar todo feito num 8 mas não interessa. Foi para isto que treinei, este era o meu momento. Estava a ser super doloroso mas correr é mesmo assim.
Cheguei ao km 9 e Estava a bom ritmo, O meu A-rival marcava um ritmo de 7:00min/km e agora ía começar a parte a doer, a descida tinha terminado e era tudo a direito. Estava a ficar com cãibras e comecei a pensar para quem ligar, não sabia o que fazer então resolvi improvisar. Tirei os Asics que já estava farto (tive de parar 8x para apertar os atacadores) e calcei umas sapatilhas Hoka one one Clifton. Era o último trunfo que trazia na mochila (já falei dela, né?). Tirei ainda um dos alfinetes do dorsal e fiz um pouco de acupunctura para ver se aliviava as cãibras como aprendi na Cuf. Consegui continuar por mais 300metros e chegar à rotunda do queijo onde comecei a andar. Não estava a dar mais. O carro Meta estava a aproximar-me e eu não conseguia fugir. Terminei ao fim de 1h10 com a sensação de missão cumprida.
Agora vou ficar mais 4 meses sem correr porque preciso de arranjar uma cura para as minhas lesões yo-yo.
Aproveito para agradecer aos elementos da minha crew que foram enviando mensagens de incentivo e a todas as marcas que me enviaram material para testar.

One thought on “Wings for life 2015

Deixar uma resposta

%d bloggers like this: